Pular para o conteúdo principal

Previna-se da pandemia da fome

A todos os instantes ouvimos falar sobre o grande número de desempregados pela crise econômica vivida nestes tempos, vemos uma reação das nações ricas com propósitos de fechamentos em si próprios como forma de garantir seus capitais, vemos um grande número de migrações de pessoas que buscam um lugar dentro dessas nações ricas, como alternativa de sobrevivência, assistimos a um mundo que, como uma cambaleante embriaguez, se definha diante de uma grave enfermidade pandêmica com o risco de morte por asfixia.
Quando tinha saúde, sob o pretexto da garantia da sobrevivência, alcançar a independência financeira, elegeu como fundamento de vida, o dinheiro, nele se colocou toda a sua segurança, toda a sua esperança, todos os seus sonhos sustentada pela imagem do cara e coroa, na promessa do controle do mundo palpável, planejável, previsível, e, a vida lhe pareceu assim, mais segura naquilo que se pode pegar, dominar, e se rejeitou a fé: 
É o poder do dinheiro que nos faz desviar da fé pura. Priva-nos da fé, debilita-se e acabamos por perdê-la (PAPA FRANCISCO, 2013)[1]
Como no contágio por um vírus ou uma bactéria, a partir daí, adquirimos uma doença, cujo hospedeiro é a avidez, e o sintoma é a alucinação, pois ao amarmos o dinheiro, ele sempre nos parecerá insuficiente, e o queremos sempre mais (Cf. Ecl 5,9), cobiçando cada vez mais, sem o limite do que nos é necessário ou, do que nos pertence, sob o efeito alucinógeno de se ter o domínio com ele, ao passo que, a contrário sensu, a ele submetemos toda a nossa livre iniciativa, que passa a ser dominada por ele e, com isso, sujeitamos nossas vontades a ele, nos ajoelhamos, suplicamos, nos arrastamos, nos matamos, assassinamos, casamos, amigamos, traímos, amamos, adorando uma imagem ilusória da segurança, do poder do cara e coroa.

Essa doença tomou uma proporção global como uma pandemia, pois, pelo amor ao dinheiro, o mundo sofre alucinações gigantescas como o fim dos mercados comuns, fim do emprego no mundo, riscos de queda dos ricos e poderosos, que, beirando a uma convulsão, dentro de um escuro leito, atônito, moribundo, não se vê esperança, porque não se guarda mais a fé, agonizante sob o efeito da ilusão de uma pobreza extrema pela perda da energia da sua vida, o dinheiro, se aflige em múltiplos tormentos (Cf. 1Tm 6,10).

Como um rei de ferro, o dinheiro cria tormentos extremos, transformando as alucinações em meio de extorquir o doente, que grita para que ele seja adorado e não rejeitado e, que tudo deve ser feito para que ele assegure a vida dos homens e, que todos os homens lutem por ele como o bem supremo, pois, nele está toda a riqueza, segurança e vida, pois é palpável, previsível, se permite ser controlado e dominado pelo homem, como se o próprio homem fosse um deus, repugna a incerteza da fé que, em nada é previsível. Haveria fé sobre a terra (Cf. Lc 18,8)? Como poderia curar-se (Cf. Lc 18,26)?

A morte causada aos que sofrem pela doença da avidez se dá pela asfixia (Cf. 1Tm 1,19), não havendo um antídoto, mas um tratamento cujo prognóstico é através de medicamento de uso contínuo para toda a vida, através da alimentação diária com mel (Cf. Sl 119(118),103), que filtra o sangue do doente, desintoxicando-o pela certeza da vida no invisível (Is 41,10), que excreta a falsa segurança do visível que lhe causava as alucinações.

Sem essa alimentação o doente não terá forças para permanecer em pé e morrerá por asfixia ao lhe faltar o sopro da vida (Cf Gn 2,7) que é invisível.


[1] Papa Francisco. O poder do dinheiro. Disponível em <https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/cotidie/2013/documents/papa-francesco_20130922_meditazioni-17.html>. Acesso em 09 dez. 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Uso do Projetor Multimídia ou Datashow nas Celebrações Litúgicas

Laurentino Lúcio Filho 1 Na praxis cristã , a Igreja em sua caminhada litúrgica se depara nos dias de hoje com os novos recursos para a divulgação da Palavra. Aqui em especial o destaque é para o recurso mediático do computador que acoplado ao um projetor, divulga mensagens aos fiéis nas celebrações litúrgicas. Sobre esta nova tecnologia vale a inspiração da Instrução Pastoral Communio Et Progressio de 1971, § 126: “ Cristo mandou aos Apóstolos e seus sucessores que ensinassem 'todas as nações', que fossem 'a luz do mundo', que proclamassem o Evangelho em todo o tempo e lugar. Do mesmo modo que Cristo se comportou, durante a sua vida terrestre, como o modelo perfeito do 'Comunicador', e os Apóstolos usaram os meios de comunicação então ao seu alcance, também o nosso trabalho apostólico atual deve usar as mais recentes descobertas da técnica. De fato, seria impossível, hoje em dia, cumprir o mandato de Cristo, sem utilizar as vantagens of

A alegria que veio ao nosso encontro

Vivendo em meio a uma turbilhão de mudanças, a cada hora me deparando com uma experiência inédita na história do mundo, a sensação que nos dá é a aquela que sentia a mãe de um amigo meu: "isso parece o fim do mundo"! Nessa terça-feira meu coração estava quebrantado, pesado e cheio de tristeza, pois diante de uma avalanche, embora esteja empenhando todos os meus esforços, a sensação era que eu não tinha feito nada e nada podia fazer, e olhava para o horizonte a perguntar: o que nos resta, pois todos os esforços parecem inúteis? Seguindo para minha celebração matinal doméstica, a resposta, como uma hóstia, veio comungar em mim, e aliviou meu coração, ao iniciar a Primeira Leitura cuja Palavra foi a seguinte: Caríssimos: Esperais com anseio a vinda do Dia de Deus, quando os céus em chama se vão derreter, e os elementos, consumidos pelo fogo, se fundirão? O que nós esperamos, de acordo com a sua promessa, são novos céus e uma nova terra, onde habitará a just

Música litúrgica e direitos autorais

Disponibilizei neste ambiente as músicas cantadas na celebração, cujo intuito é meramente didático , sem qualquer fim lucrativo, qual seja, apenas o de orientar aqueles que servem semanalmente as missas dominicais. Mas, os servidores logo bloquearam os links dizendo que o conteúdo poderia estar violando direitos autorais. Não é nosso propósito causar dano a alguém, mas, diante desse percalço se fez necessário fazer uma análise se há ou não a violação de direitos autorais: Considerando que o conteúdo publicado se refere às músicas do hinário litúrgico da CNBB que também inclui a Campanha da Fraternidade da CNBB, logo é de se presumir que se trata de conteúdo produzido nas missas, ou seja, bem de domínio público, de uso comum do povo (Cf. Art. 99, I do Código Civil), que por isso não são alienáveis (Cf. Art. 100 do Código Civil). Se não fosse assim, não poderíamos cantar as músicas apresentadas pela CNBB nas celebrações, ou, as Igrejas teriam de pagar taxas de