Pular para o conteúdo principal

Quem crer verá, quem ver não crerá


Um rebento no céu, um estouro que dura apenas 5 milésimos de segundo, mas seu brilho é explendoroso, mais do que o brilho do sol em 10.000 anos. chamado de fast radio bursts (FRB) – estouro rápido de radio. Não é como uma estrela a brilhar, mas como um raio a iluminar, ele é temporário, como a aurora que anuncia o dia, a Estrela da Manhã.
Um brilho, um estouro que não tem explicação, os astrônomos buscam desesperadamente algo que sustente seus argumentos, como colisões de estrelas, efeito de buraco negro na matéria escura, até mesmo contato de alienígenas, mas, a todos os momentos, são obrigados a reverem suas teorias pois elas são jogadas no chão.
O caos científico se inaugurou com o FRB 121102, que derrubou a tese das colisões de estrela ao produzir em um único evento, 6 estouros, ou seja, se até ele se imaginava duas estrelas se colidindo, a partir dele, se viu uma única fonte produzindo o evento, levando-os a perguntarem “o que seria tão poderoso para produzir um fenômeno destes?”
Mas, se a ciência não consegue encontrar uma explicação, a fé parece revelar sinais claros do raiar de novos tempos, e a perplexidade da ciência parece até mesmo parte desse raiar, pois, o FRB121102, é um número de identidade a partir da data do evento, cujo fato misterioso que deixou o homem constrangido por não saber explicá-lo, coincide com o texto do Livro de Isaías (Is 2, 11-12):
Os olhos orgulhosos serão abaixados, a arrogância humana será humilhada. Nesse dia, somente o Senhor será exaltado.Pois haverá um dia do Senhor dos exércitos contra todo orgulhoso e arrogante, contra todo aquele que se eleva e se engrandece;
Este fenômeno é real, não é uma alegoria, não é uma fábola, mas sim, algo percepivel, natural e inacreditável. Inacreditável, pelo fato de ser material, ao mesmo tempo que se liga ao imaterial ou místico, conforme se constatou nas diversas remissões dos textos bíblicos daqueles eventos, já tratados na obra: a linguagem cristã nos sinais de rádio vindos do espaço (FRBs) e, ao se ver a ação direta de Deus na matéria, parece ao homem inacreditável.
Assim, se o estouro é como um raio a brilhar em 5 milésimos de segundo, de acordo com as ligações entre Eventos-Escrituras, esta referência nos liga àquela Estrela da Manhã que anuncia o rumo de luz para a humanidade, como lembrou-nos o Papa Paulo VI, quando apresentou razões para se lembrar do aparecimento de Nossa Senhora no mundo: “A primeira razão nos obriga a lembrar a aparição da Virgem no mundo como a chegada da aurora que precede o sol da salvação, Jesus Cristo, como a flor sobre a terra cheia de lama do pecado” (PAPA PAULO VI, 1964).
E agora, este mundo desumano da atualidade, é supreendido por um brilho inexplicável, raios de luzes produzidos por estouros, com duração de 5 milésimos de segundo cada um, mas, com um brilho de dez mil anos do sol, como a aurora, o prenúncio de um Reino de Justiça a brilhar no coração dos homens: “por isso, acreditamos com mais firmeza na palavra dos profetas. E vocês fazem bem considerando-a como luz que brilha em lugar escuro, até que raie o dia quando a estrela da manhã brilhar em seus corações” (2Pd 1,19), levando o homem novamente a recolhecer a sua íntima ligação com Deus.
Se ela é o estouro, os doze estouros que é o número de eventos, estão cheios da Palavra que guardada pela fé, e, que, olhada conjuntamente, lembra uma coroa de 12 estrelas de uma mulher vestida de sol "Apareceu no céu um grande sinal: uma Mulher vestida com o sol, tendo a lua debaixo dos pés, e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas. Estava grávida e gritava, entre as dores do parto, atormentada para dar à luz" (Ap 12, 1-2).
De um mundo em que Deus é visto como imaginação, como miragem, sendo até mesmo desprezível em determinados meios, o coração do homem recebe o brilho de um estouro, como um raio real, material e visível da Estrela da Manhã: eu sou o Rebento da família de Davi, a brilhante estrela da manhã (Ap 22,16), a sinalizar a nova aurora que precede o Espírito Santo que habitará o teu coração em uma vida nova.
Este texto não tem o propósito de explicar as escrituras, nem mesmo de revelar contextos apocalípicos, mas somente colocar no coração do homem a certeza de que Jesus, ressuscitou e é o Senhor de toda a terra, e as estrelas gritam o seu nome, Estrela da Manhã. Ele está bem perto, ao seu alcance, receba-o com hospitalidade.

REFERÊNCIAS
PAPA PAULO VI. Homilía de su santidad Pablo VI durante la missa para las religiosas: festa de la natividad de María. 8.09.1964. Disponível em <https://w2.vatican.va/content/paul-vi/es/homilies/1964/documents/hf_p-vi_hom_19640908_nativita-vergine-maria.html>. Acesso em 29 abr. 2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Uso do Projetor Multimídia ou Datashow nas Celebrações Litúgicas

Laurentino Lúcio Filho 1 Na praxis cristã , a Igreja em sua caminhada litúrgica se depara nos dias de hoje com os novos recursos para a divulgação da Palavra. Aqui em especial o destaque é para o recurso mediático do computador que acoplado ao um projetor, divulga mensagens aos fiéis nas celebrações litúrgicas. Sobre esta nova tecnologia vale a inspiração da Instrução Pastoral Communio Et Progressio de 1971, § 126: “ Cristo mandou aos Apóstolos e seus sucessores que ensinassem 'todas as nações', que fossem 'a luz do mundo', que proclamassem o Evangelho em todo o tempo e lugar. Do mesmo modo que Cristo se comportou, durante a sua vida terrestre, como o modelo perfeito do 'Comunicador', e os Apóstolos usaram os meios de comunicação então ao seu alcance, também o nosso trabalho apostólico atual deve usar as mais recentes descobertas da técnica. De fato, seria impossível, hoje em dia, cumprir o mandato de Cristo, sem utilizar as vantagens of

A alegria que veio ao nosso encontro

Vivendo em meio a uma turbilhão de mudanças, a cada hora me deparando com uma experiência inédita na história do mundo, a sensação que nos dá é a aquela que sentia a mãe de um amigo meu: "isso parece o fim do mundo"! Nessa terça-feira meu coração estava quebrantado, pesado e cheio de tristeza, pois diante de uma avalanche, embora esteja empenhando todos os meus esforços, a sensação era que eu não tinha feito nada e nada podia fazer, e olhava para o horizonte a perguntar: o que nos resta, pois todos os esforços parecem inúteis? Seguindo para minha celebração matinal doméstica, a resposta, como uma hóstia, veio comungar em mim, e aliviou meu coração, ao iniciar a Primeira Leitura cuja Palavra foi a seguinte: Caríssimos: Esperais com anseio a vinda do Dia de Deus, quando os céus em chama se vão derreter, e os elementos, consumidos pelo fogo, se fundirão? O que nós esperamos, de acordo com a sua promessa, são novos céus e uma nova terra, onde habitará a just

Música litúrgica e direitos autorais

Disponibilizei neste ambiente as músicas cantadas na celebração, cujo intuito é meramente didático , sem qualquer fim lucrativo, qual seja, apenas o de orientar aqueles que servem semanalmente as missas dominicais. Mas, os servidores logo bloquearam os links dizendo que o conteúdo poderia estar violando direitos autorais. Não é nosso propósito causar dano a alguém, mas, diante desse percalço se fez necessário fazer uma análise se há ou não a violação de direitos autorais: Considerando que o conteúdo publicado se refere às músicas do hinário litúrgico da CNBB que também inclui a Campanha da Fraternidade da CNBB, logo é de se presumir que se trata de conteúdo produzido nas missas, ou seja, bem de domínio público, de uso comum do povo (Cf. Art. 99, I do Código Civil), que por isso não são alienáveis (Cf. Art. 100 do Código Civil). Se não fosse assim, não poderíamos cantar as músicas apresentadas pela CNBB nas celebrações, ou, as Igrejas teriam de pagar taxas de