Pular para o conteúdo principal

A Era Antropoceno: o homem como senhor da Terra

Introdução

Este trabalho é dedicado a Greta Thumberg, pois, foi a partir da frase de seu discurso na ONU quando disse que “se vivemos uma crise de sustentabilidade, devemos tratá-la como crise, criando-se comitês de crises” e, ainda, no mesmo discurso, quando disse que não devemos temer nos tornarmos impopulares por falarmos o que se deve ser dito, é que ele foi produzido.
A partir da reflexão dessas frases, o presente trabalho buscou criar uma percepção da realidade presente a fim de se desenvolver subsídios para a criação das estratégias para a crise de sustentabilidade, e, diante da gravidade sustentável que o mundo se encontra em que testemunhamos a extinção em massa de espécies terrestres, marítimas, e do ar, comprometimento de ambiente, e, risco iminente da extinção dos ambientes estruturais que sustentam a vida terrestre como as geleiras e mares, para a compreensão dessa percepção, se tornou necessário unir a ciência e fé para desenvolver um um pensamento sensato, diante das razões insanas da Ciência centrada no homem que traz uma lógica cega.

Percepção do ambiente real

Para compreendermos o ambiente ao nosso redor, começamos a reconhecer a época em que vivemos, chamada como a quarta divisão histórica, de Idade Contemporânea.
O início da idade contemporânea é chamado de iluminismo cuja origem se data de 1715, um novo reino se estabeleceu, ou, o quarto reino da história, a Época Contemporânea: “o iluminismo, também conhecido como século das luzes e ilustração, foi um movimento intelectual e filosófico que dominou o mundo das ideias na Europa durante o século XVIII, ‘O Século da Filosofia’"[1]   

A principal característica trazida nesse período e a substituição da Sabedoria pelo conhecimento humano, rejeitando a presença de Deus na história da humanidade, e atribuindo a razão para a formação da verdade a partir das metodologias humanas “uma vez que nosso conhecimento está uniformemente fundado em observações, a direção de nossos interesses espirituais deve ser entregue ao poder da ciência positiva” (COMTE apud ISKANDAR & LEAL, 2002, p. 90).
 
Considerando o afastamento da Ciência de Deus como Verdade, esse novo Reino, chamando a si o conhecimento da verdade racional, na iluminação do homem, iniciou em 1715, um Reino, como se os olhos do homem se abrissem, como visto em Adão e Eva quando comeram da Árvore da Ciência (Gn 3,7), e, enganados pela serpente, acreditaram serem deuses, chamando de iluminismo, de iluminação, ou luzes, “Jerônimo traduziu o substantivo hebraico hêlêl, "brilhante", pelo latim lucifer, derivado de lux, lucis, "luz" e fero, de ferre, "trazer", ou seja, "aquele que traz a luz" (BUENO apud VAILATTI, 2014, p. 116).
 
Os olhos dos homens brilharam, e enganados como dotado de poderes, maravilhados com sua vaidade e cobiça intelectual, rejeitaram as criações de Deus, o natural, e passaram a aceitar somente o poder de sua própria força, na criação própria de si, o artificial:

A razão, segundo o autor anônimo do verbete correspondente na Encyclopédie, compreenderia as verdades obtidas pela mente humana sem o auxílio da fé. As verdades eternas seriam aquelas de conteúdo lógico, geométrico ou metafísico, não podendo se admitir o oposto sem cair em contradição. As verdades positivas compreenderiam as leis da natureza definidas por Deus e apreendidas pela experiência ou por meio de raciocínios a priori. Já no verbete philosophe, o gramático Dumarsais explica que o termo designa aqueles que buscam a verdade das coisas e se rendem à razão, formando seus princípios a partir da observação repetida e acurada das coisas, interessados, além disso, nos assuntos da sociedade. “O filósofo [...] age somente após reflexão. Ele caminha na noite, mas precedido de um archote”(Encyclopédie, ‘Raison’, v. XIII, 1765, p. 773-774;‘Philosophe’, v. XII, 1765, p. 509-511) (ARTHMAR, S/D, p. 3).

E esse Reino cujo predomínio é a razão do homem, sem a interferência de Deus, se revela nos dias atuais como a Era Antropoceno, ou seja, o poder do homem como deus, capaz de mudar um planeta:

O surgimento do conceito do Antropoceno tem sido amplamente discutido na literatura. O termo foi usado pela primeira vez pelo biólogo Eugene F. Stoemer na década de 1980, mas só foi formalizado em 2000, numa publicação conjunta com o Prêmio Nobel de Química, Paul Crutzen, na Newsletter do International Geosphere-Biosphere Programme (IGBP) do mês de maio. Nessa comunicação, os autores propõem o uso do termo Antropoceno para a época geológica atual, para enfatizar o papel central do homem na geologia e ecologia (grifo nosso), e o início dessa época nos finais do século XVIII, que coincide com o aumento nas concentrações de CO2 e CH4, e, também, com a invenção da máquina a vapor, em 1784, por James Watt (SILVA e ARBILA, 2018).

Esse termo vem a tona nos dias atuais, devido a gravidade do comprometimento do equilíbrio sustentável do planeta: “Uma característica marcante desse novo estágio na história da Terra seria a presença cada vez mais abundante de um sedimento artificial (grifo nosso) formado por lama e areia misturadas com grãos de materiais sintéticos, em especial o plástico, vindos do lixo produzido pelo ser humano” (ZOLNERKEVIC, 2016, p. 53).
A Terra está sendo pisada pelo homem:

Segundo o Quinto Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) de Março de 2014, durante o Século 21 os impactos das mudanças climáticas deverão reduzir o crescimento econômico, tornar mais difícil a redução da pobreza, agravar a insegurança alimentar e criar novas “armadilhas” de pobreza, principalmente em áreas urbanas e regiões castigadas pela fome. Um aumento maior na temperatura do Planeta acarretará danos consideráveis à economia mundial. As populações mais pobres serão as mais afetadas, pois a intensificação dos eventos climáticos extremos, dos processos de desertificação e de perdas de áreas agricultáveis levará à escassez de alimentos e de oferta de água potável, à disseminação de doenças e a prejuízos na infraestrutura econômica e social.
A concentração de gases que produzem o Efeito Estufa na atmosfera atingiu seus níveis mais elevados desde 800 mil anos, o que dá uma ideia do impacto atual na biosfera. Segundo os cientistas do IPCC, as mudanças climáticas trariam impactos graves, extensos e irreversíveis, se não forem “controladas”, o que supõe medidas impositivas e obrigatórias como as que foram adotadas no Acordo sobre o clima, discutido em Paris em Dezembro de 2015 e ratificado em Abril último com a sua entrada em, vigor no dia 4 deste mês (Novembro) (CENTRO DE CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE/INPE, 2016).

E diante dessa perplexidade que torna atônita toda a humanidade, Deus se revelou presente na história, e para, para que fosse reconhecido, deixou registrado esse momento no Livro de Daniel, referindo-se a essa Era da seguinte forma:

Enfim, quando contemplava estas visões noturnas, divisei um quarto animal, horroroso, aterrador e de uma força excepcional. Tinha enormes dentes de ferro; devorava, depois fazia em pedaços e o resto calcava-o aos pés. Era diferente dos animais anteriores, pois tinha dez chifres.

O quarto animal será um quarto reino terrestre, que será diferente de todos os reinos, devorará o mundo, o calcará e o reduzirá a pó (7,7.23).

Aqui se apresenta o sentido do comitê de crise dito por Greta Thumberg, porque estamos diante do risco real da extinção da raça humana, e no entanto, preferimos ficar distraídos com a propaganda política e econômica no seu discurso de que o mundo precisa ser feliz, comprar, curtir, como se a felicidade estivesse a um passo de sua realização, e para mostrar-nos essa ilusão, Deus nos revelou isso antes para que agora, vivendo essa realidade, crêssemos:
Como sei que sois um povo obstinado, que a vossa cerviz é como um tendão de ferro e a vossa cabeça dura como bronze, predisse-vos os acontecimentos com muita antecedência. Informei-vos antes que aconte­cesse(grifamos), para que não dissésseis: «Foi o meu ídolo que fez isso, foi o meu deus de madeira ou de bronze que o ordenou.» Do que Eu predisse vedes a realização. Não o quereis atestar (Is 48,4-6)?

A loucura dos raciocínios errantes, levando-nos para o cativeiro sem nos darmos conta que teremos de enfrentar situações inóspitas, duras e difíceis, ao invés disso, fugimos, nos escondemos e não queremos admitir que ficaremos sem a nossa zona de conforto, cujo consolo de Deus e dado na sua Palavra:

Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das preocupações da vida, e esse dia não caia de repente sobre vós; pois esse dia cairá como uma armadilha sobre todos os habitantes de toda a terra (grifo nosso). Portanto, ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficardes em pé diante do Filho do Homem” (Lc 21, 34-36).

O homem ao ser enganado, ao acreditar estar no caminho da felicidade por sua própria razão, acomodou-se, e na sua indiferença, não se importa com nada que acontece ao seu redor, mesmo que isso, signifique a própria morte.

Conclusão

Após essas reflexões espera-se que esse trabalho tenha alcançado o seu resultado esperado, permitindo se criar uma percepção do ambiente real em que vivemos e suas consequências, a partir da razão humana e rejeição de Deus, e, também, sobre a época da história em que nos localizamos dentro do Livro da Vida para que, uma vez “atentos”, possamos criar forças para ficar de pé diante diante de tanta indiferença, violência, destruição e morte.
Quanto ao contexto de Deus presente na história, nesse trabalho, a sua escatologia embora pareça ter um cunho apocalíptico, ela visa trazer a certeza de que Deus não esquece o seu povo, e, vem lembrar a aliança de Deus com o homem, como proclamado na responsório do Salmo 104, da quinta-feira da quinta semana da quaresma, 11 de abril de 2019 : “O Senhor se lembra sempre da Aliança!” e nos revela o seu amor para esses tempos na Palavra do Benedictus de Zacarias.

Conforme prometeu pela boca dos seus santos, os profetas dos tempos antigos; para nos libertar dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam, para mostrar a sua misericórdia a favor dos nossos pais, recordando a sua sagrada aliança; e o juramento que fizera a Abraão, nosso pai, que nos havia de conceder esta graça: de o servirmos um dia, sem temor, livres das mãos dos nossos inimigos (Lc 1, 70-75).

E também no Cântico de Maria: “A minha alma glorifica o Senhor e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador. Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia, como tinha prometido a nossos pais, a Abraão e à sua descendência, para sempre“ (Lc 1, 46-47.54-55) .

A graça está diante de nós, e ainda assim, não abrimos os nossos olhos para o real, preferimos o virtual, o artificial.

Os Cânticos de Maria e Zacarias, nos trazem nesta Pascoa, a certeza de que ao a Palavra fiel gravada para nós há mais de 2000 anos, que realmente Deus ama o seu povo, e já nos guarda em seu coração desde que é Deus.

E nestes tempos de cativeiro, basta que tenhamos a confiança em sua amizade, que ele sempre se lembrará de sua Aliança conosco.

Tenha coragem, não perturbe o vosso coração ". Credes em Deus, crede também em mim" (Jo 14,1).




Notas:

[1] O iluminismo. In Wikipedia Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Iluminismo>. Acesso em 14 abr. 2019.

Referências:

ARTHMAR, Rogério. Voltaire e a visão iluminista do progresso. Disponível em <http://www.apec.unesc.net/VI_EEC/sessoes_tematicas/Tema4-Historia%20Economica/Artigo-4-Autoria.pdf>. Acesso em 14 abr. 2018.
CENTRO DE CIÊNCIAS DO SISTEMA TERRESTRE – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Antropoceno: uma nova era. Disponível em <http://www.ccst.inpe.br/antropoceno-uma-nova-era/>. Acesso em 17 abr. 2019.
INSKANDAR Jamil Ibrahim. LEAL, Maria Rute. Sobre positivismo e educação In.Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 3, n.7, p. 89-94, set./dez. 2002. Disponível em <http://www2.pucpr.br/reol/index.php/DIALOGO?dd1=654&dd99=pdf>. Acesso em 17 mar. 2015.
SILVA, Clayton M. da; ARBILA, Graciela. Antropoceno: Os desafios de um novo mundo. In Revista Virtual de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro e Veiga de Almeida, Volume 10, nº XX, 2018. <http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/ArbillaNoPrelo.pdf>. Acesso em 17 abr. 2019.
VAILATTI, Carlos Augusto. O rei da Babilônia e o rei de Tiro: uma análise de Isaías 14:12-15 e Ezequiel 28:11-19 - The king of Babylon and the king of Tyre: An Analysis of Isaiah 14:12-15 and Ezekiel 28:11-19. In Revista Vértices . 16 (2014) Departamento de Letras Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, p. 107-138). Disponível em <http://revistas.fflch.usp.br/vertices/article/download/2112/2075>. Acesso em 14 abri. 2019.
ZOLNERKEVIC, Igor. A era humana: material plástico acumulado no fundo dos oceanos pode definir um novo período na história da Terra, o Antropoceno
1O iluminismo. In Wikipedia Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Iluminismo>. Acesso em 14 abr. 2019.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Uso do Projetor Multimídia ou Datashow nas Celebrações Litúgicas

Laurentino Lúcio Filho 1 Na praxis cristã , a Igreja em sua caminhada litúrgica se depara nos dias de hoje com os novos recursos para a divulgação da Palavra. Aqui em especial o destaque é para o recurso mediático do computador que acoplado ao um projetor, divulga mensagens aos fiéis nas celebrações litúrgicas. Sobre esta nova tecnologia vale a inspiração da Instrução Pastoral Communio Et Progressio de 1971, § 126: “ Cristo mandou aos Apóstolos e seus sucessores que ensinassem 'todas as nações', que fossem 'a luz do mundo', que proclamassem o Evangelho em todo o tempo e lugar. Do mesmo modo que Cristo se comportou, durante a sua vida terrestre, como o modelo perfeito do 'Comunicador', e os Apóstolos usaram os meios de comunicação então ao seu alcance, também o nosso trabalho apostólico atual deve usar as mais recentes descobertas da técnica. De fato, seria impossível, hoje em dia, cumprir o mandato de Cristo, sem utilizar as vantagens of

A alegria que veio ao nosso encontro

Vivendo em meio a uma turbilhão de mudanças, a cada hora me deparando com uma experiência inédita na história do mundo, a sensação que nos dá é a aquela que sentia a mãe de um amigo meu: "isso parece o fim do mundo"! Nessa terça-feira meu coração estava quebrantado, pesado e cheio de tristeza, pois diante de uma avalanche, embora esteja empenhando todos os meus esforços, a sensação era que eu não tinha feito nada e nada podia fazer, e olhava para o horizonte a perguntar: o que nos resta, pois todos os esforços parecem inúteis? Seguindo para minha celebração matinal doméstica, a resposta, como uma hóstia, veio comungar em mim, e aliviou meu coração, ao iniciar a Primeira Leitura cuja Palavra foi a seguinte: Caríssimos: Esperais com anseio a vinda do Dia de Deus, quando os céus em chama se vão derreter, e os elementos, consumidos pelo fogo, se fundirão? O que nós esperamos, de acordo com a sua promessa, são novos céus e uma nova terra, onde habitará a just

Música litúrgica e direitos autorais

Disponibilizei neste ambiente as músicas cantadas na celebração, cujo intuito é meramente didático , sem qualquer fim lucrativo, qual seja, apenas o de orientar aqueles que servem semanalmente as missas dominicais. Mas, os servidores logo bloquearam os links dizendo que o conteúdo poderia estar violando direitos autorais. Não é nosso propósito causar dano a alguém, mas, diante desse percalço se fez necessário fazer uma análise se há ou não a violação de direitos autorais: Considerando que o conteúdo publicado se refere às músicas do hinário litúrgico da CNBB que também inclui a Campanha da Fraternidade da CNBB, logo é de se presumir que se trata de conteúdo produzido nas missas, ou seja, bem de domínio público, de uso comum do povo (Cf. Art. 99, I do Código Civil), que por isso não são alienáveis (Cf. Art. 100 do Código Civil). Se não fosse assim, não poderíamos cantar as músicas apresentadas pela CNBB nas celebrações, ou, as Igrejas teriam de pagar taxas de